Quantos viajantes passaram por aqui

Nos trilhos da imprensa no Brasil e no Mundo

Loading...

quinta-feira, 6 de junho de 2013

FEIRA DA MADRUGADA: O local seria área da CPTM? Alguém pode esclarecer isso?

06/06/2013 05h59 - Atualizado em 06/06/2013 06h27


Comerciantes da Feira da Madrugada  agora disputam clientes na rua


'Puxador' ajuda lojista a recuperar clientela perdida com fechamento.
Aluguel de banca pode chegar a até R$ 3 mil por mês, dizem comerciantes.

Do G1 São Paulo
10 comentários
Antonia Abreu tinha cerca de 40 clientes fixos (Foto: Marcelo Mora/G1)Antonia Abreu tinha cerca de 40 clientes fixos
(Foto: Marcelo Mora/G1)
Os comerciantes da recém-fechada Feirinha da Madrugada, do Brás, na região central de São Paulo, tiveram de abrir mão de uma carteira fixa de clientes e agora estão tendo de disputar, em pontos de venda improvisados, cada consumidor que passa pelas ruas da região. Para isso, contam com a ajuda de um "puxador", algum funcionário que fica nas esquinas exibindo os produtos oferecidos e tentando 'puxar' um cliente em potencial para o local onde a banca está instalada.
A área onde funcionava a feira foi fechada na semana passada para reformas, por um prazo previsto de 60 dias. Por isso, muitos destes comerciantes tiveram de alugar estandes ou bancas em shoppings, minishoppings ou um espaço em qualquer outra portinha, como garagens, espalhadas pela região onde pudessem expor os seus produtos e, assim, continuar a trabalhar. Em vários deles, há faixas indicando o aluguel de bancas. Em alguns casos, o aluguel de um ponto pode chegar a até R$ 3.000 por mês.
Segundo os comerciantes, os policiais militares não permitem que eles montem barraquinhas ou que vendam seus produtos nas calçadas ou nas ruas. Apesar disso, alguns deles ainda tentam oferecer alguns poucos produtos que carregam em sacos plásticos. Se forem flagrados, durante uma abordagem a um cliente, por exemplo, correm o risco de terem a mercadoria apreendida.
Em uma travessa da Rua Oriente, por exemplo, era possível avistar na madrugada desta quinta-feira (6) uma faixa com os dizeres “Feirinha da Madrugada – A Vila da Economia”. Na entrada da viela, “puxadores” tentavam arrastar compradores para os lojinhas, muitas delas de comerciantes que tiveram de deixar a Feirinha da Madrugada, instaladas na pequena rua sem saída.
Travessa da Rua Oriente virou um dos pontos de comércio (Foto: Marcelo Mora/G1)Travessa da Rua Oriente virou um dos pontos de
comércio (Foto: Marcelo Mora/G1)
“Temos de abordar quem passa pela rua. Mas não podemos mostrar a mercadoria na rua, senão a polícia toma da gente. Temos que pegar o cliente no laço”, ilustrou o ‘puxador’ Diel de Oliveira, de 28 anos, que indagava a quem passava se estava interessado em comprar camisetas.
A transferência do local de vendas mudou as características do negócio. “Na feirinha, o pessoal passava e parava para olhar os seus produtos. E já tinha até aqueles que vinham direto comprar de você. Agora, nos tornamos vendedores ambulantes. Tem de ser cara larga e abordar o cliente”, explicou.
Como consequência, as vendas caíram vertiginosamente, além de terem de arcar com o aluguel de um estande ou de uma banca nas proximidades da feirinha. “Por uma banca de 1,20m por 0,80m, estou pagando R$ 150 por semana. As vendas já estavam fracas com as notícias de fechamento da feirinha, agora a queda chega a 30% em média”, disse Oliveira.
Para não ficar sem trabalhar, a comerciante Antônia Abreu, de 49 anos, pagou pouco mais de R$ 1.000 por um ponto em shopping na Rua João Teodoro, além de ter de desembolsar uma mensalidade de R$ 700. Há 10 anos na feirinha, ela pagava cerca de R$ 250 por mês a uma cooperativa para manter uma barraca no local.
“O pior de tudo é que eu tinha uma carteira com cerca de 40 clientes, que vinham comprar direto comigo. Aqui, tenho de pegar o cliente na rua”, reclamou. Segundo ela, apenas um cliente do Rio Grande do Sul conseguiu localizá-la em seu novo endereço. “Tem muita gente muito pior situação do que a minha, que não está nem conseguindo trabalhar”, ressaltou.
Alves Mendonça, 'puxador' de clientes (Foto: Marcelo Mora/G1)Alves Mendonça, 'puxador' de clientes
(Foto: Marcelo Mora/G1)
O ‘puxador’ Alves Mendonça, de 27 anos, tinha mais motivos para comemorar. “Aos poucos, os clientes estão voltando. Eles me vêem na rua e estão me reconhecendo. Daí eu os levo até o novo ponto”, contou, enquanto exibia uma blusa de lã vermelha a quem passava pela rua.
Segundo ele, muitos comerciantes que não tinham conseguido se estabelecer em outros pontos da região aproveitavam momentos de distração dos policiais militares para exibirem os seus produtos em lonas estendidas na rua. O horário das 6h é o preferido, de acordo com o puxador. “Só precisa ficar atento para recolher tudo e não ter a mercadoria recolhida”, ensinou.
Histórico
A Prefeitura de São Paulo determinou o fechamento administrativo da Feira da Madrugada por meio de uma portaria (14/2013) publicada no último dia 30 de abril no Diário Oficial da Cidade. No dia 9, os comerciantes do local obtiveram uma liminar na 24ª Vara Federal para manterem o espaço aberto, sob a condição de que realizassem reformas para garantir a segurança da feira.
O Corpo de Bombeiros vistoriou o local e considerou que as reformas foram "insuficientes para a garantia de segurança da integridade física de comerciantes e frequentadores".
Com base na avaliação dos Bombeiros, a administração municipal recorreu da decisão do juiz da 24ª Vara Federal para prosseguir com o plano de reforma. A liminar foi cassada pelo Tribunal Regional Federal da 3ª Região em 27 de maio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário